Uma visão sobre a inadimplência nas escolas brasileiras

Uma visão sobre a inadimplência nas escolas brasileiras



A inadimplência escolar é um complexo tema que ronda permanentemente a gestão de ensino privado, gerando debates constantes com a intenção de combater o problema. Nos últimos anos, a rápida ascensão de uma nova classe média brasileira vem provocando um crescimento desse mercado e, por consequência, uma maior profissionalização do mesmo, qualificando os debates da área.

Ao analisarmos alguns estudos podemos entender que o crescimento do público-alvo do mercado de ensino privado vem acontecendo em função de uma mudança de mentalidade das famílias anteriormente de baixa renda.

Em pesquisa realizada pelo DataPopular, 89% dos 5003 brasileiros entrevistados afirmaram enxergar a educação como o meio mais seguro para alcançar um bom futuro, e 66% deles deram à educação dos filhos o caráter de ‘prioridade’. Se somando ao quadro, o estudo constatou que 57% dos entrevistados consideram que a escola pública vem piorando em termos de qualidade.

Apesar do aumento no número de alunos nas instituições de ensino privadas, as mesmas não tem tido muitos problemas com relação ao aumento da inadimplência. Segundo o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo (SIEEESP), para 2013 era esperado um aumento na inadimplência escolar básica e média, o que acabou não acontecendo.

A média nacional de alunos de educação básica e média inadimplentes é de 20%, baseado nas médias estaduais do setor. Cada região do país tem suas taxas específicas, umas maiores e outras menores como em Alagoas, onde a média de falta de pagamento chegou a 30% durante o ano letivo de 2013, segundo o SINEPE-AL; ou como em Salvador (BA), onde a média girou em 10% em 2013, segundo o SINEPE-BA.

Em São Paulo, um dos principais mercados de ensino privado do país, o SIEEESP, que representa 10 mil colégios particulares localizados no estado, registrou que entre setembro e outubro de 2012 a inadimplência caiu de 7,9% para 7,8%.

Já em outubro de 2013 a inadimplência escolar chegou a um índice ainda menor (de 7,6%), mesmo que em agosto daquele ano tenha tido um pico de 8,15% de mensalidades a pagar. Todas as taxas são referentes a mensalidades vencidas a mais de 90 dias.

No caso da inadimplência da educação superior privada, a diminuição também vem ocorrendo. Segundo pesquisa nacional liderada pelo Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp), a média de atrasos no pagamento das mensalidades era de 8,46% em 2011, baixando para 8,43 em 2012, e fechando 2013 já em 7,9%.

As boas notícias estão para a constante diminuição das taxas médias de inadimplência, mas especialistas indicam que o melhor modo de combater esse problema é tentando se antecipar e preveni-lo.

O amadurecimento de mercado de ensino privado, que teve um crescimento acentuado nos últimos 20 anos, tem possibilitado que as instituições busquem melhores alternativas e profissionais mais bem qualificados para lidar com esse tipo de desafio de superar o âmbito cultural.

A inadimplência educacional está diminuindo, mas é sempre bom se prevenir. Como você tem feito isso a sua instituição? Compartilhe conosco!wpensar-banner-blog-ebook-inadimplencia-750x125

Author Image

Por WPensar

Desenvolvemos a melhor e mais completa plataforma de gestão escolar para instituições de ensino, otimizando a capacidade gerencial e oferecendo uma nova visão da administração.

Deixe seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Assine e receba nossos posts direto no seu email